segunda-feira, 22 de julho de 2013

Cabelos e perucas coloridas na primeira metade do século XX

Na postagem anterior falei sobre cabelos em tom pastel no século XVIII. Esta idéia de pesquisar a origem dos cabelos coloridos e/ou em tons pastel começou quando uma amiga me perguntou quando havia começado tudo isto. Minhas pesquisas foram me levando séculos e séculos para trás mas também me levaram ao começo do século XX, antes da explosão do surgimento de subculturas como a punk, a glam rock e a gótica. Vou finalizar esse tema momentaneamente falando sobre a tendência de cabelos e perucas coloridas na primeira metade do século XX. 

O texto a seguir foi escrito pela autora do blog de acordo pesquisas em fontes estrangeiras. É um artigo que, até o momento de sua publicação, não havia semelhante em outros sites em português. Se usarem trechos desta postagem como referência em trabalhos ou sites, por favor, citem este link como fonte. 
Entre um breve período de 1913 e 1914, cabeleireiros parisienses criaram uma tendência que as líderes de moda mais ousadas da sociedade da época, chocaram os cronistas. Perucas coloridas apareciam em bailes e salas de música e eram, naturalmente, muito caras. Eram de cabelo chinês natural e as fashionistas usavam uma cor de peruca que combinasse com o seu vestido.
A tendência logo foi de Paris à Londres em um jantar oferecido pela Sra. George Keppel para sua filha Violet, o que foi considerado um ultraje pelos membros mais conservadores da sociedade: "cerca de vinte e cinco mulheres convidadas usavam perucas coloridas principalmente em tons de roxo, azul, verde, verde-azul, e muitas variedades da nova tonalidade chamada de "vasco rose" em tons claros, médios e escuros."

O jornal The Omaha Sunday Bee Magazine com um artigo chamado "The Morals of Pink and Blue Hair" foi publicado dia 08 de março de 1914 sob a introdução: "Lady Duff-Gordon discute suas novas perucas coloridas para mulheres, explicando que o cabelo se tornou simplesmente um ornamento". "Lady Duff-Gordon, a famosa "Lucile" de Londres e principal criadora de moda do mundo, escreve a cada semana um artigo de moda para este jornal, apresentando tudo o que é novo e o melhor em estilos para mulheres bem vestidas."
Trechos do artigo:
"Bastante recentemente eu estive em Paris, mostrando alguns de meus mais belos modelos com cabelos em tons charmosos de rosa, azul, violeta e verde. Desde então minhas idéias foram tomadas por muitas fashionable ladies (a autora ainda diz que ao menos um couturiére imitou a idéia ddela clamando ser o autor da "tendência" mas que ela não se importa porque gosta de ver suas idéias dando frutos).
"Ainda ontem à noite uma senhora inglesa me perguntou se era moral usar cabelos rosa ou azuis. Era um baile maravilhoso onde trezentas senhoras usavam perucas azuis ou malva. Eu mesma usava um peruca azul. Eu respondi à ela que "era moral usar roupas então era igualmente moral usar cabelos da cor que você desejar". Hoje, não há nenhuma desculpa para justificar o sentimento de que é "imoral" fazer qualquer coisa que gostemos com os cabelos. Nosso cabelo é agora, um ornamento. Se alguém, por algum momento decidir que quer ter seus cabelos raspados, isso seria considerado imoral? Decididamente não. Absurdo talvez, mas não imoral. Porque então deve ser considerado imoral colocar mais cabelos ou mudar a cor que já existe? Mas porque mudar a cor dos cabelos pode ser feita por alguma outra razão que não seja se tornar mais atraente? Eu acho que é imoral não se fazer mais bonito do que se pode. As coisas são tão sagradas que devemos sempre melhorá-las. Se a humanidade  não pensasse assim, nunca teria progredido."
Em outro trecho mais  ao fim: "Eu fiz um vestido, era um lindo vestido. A garota o vestiu e ficou encantada, mas eu não. Ele era mais belo fora do que no corpo dela. Qual era o problema? Ele era harmônico, vibrante, vivo, mas nela parecia entediante. De repente, eu soube o que era o problema. O cabelo dela era particularmente preto profundo. Eu o retoquei com pó azul aqui e ali e io! O vestido parecia mais vivo, mais vibrante! E então, eu testei outros vestidos e outras cores de cabelos em minhas modelos, eu as mostrei a Paris e Paris ficou entusiasmada. Não porque era algo novo, mas porque era algo verdadeiro. Os vestidos traziam à tona suas belezas completas em cabelos que eram rosados, outros em azul profundo ou em delicados tons de verde. 
É por isso que o cabelo é colorido. Nossas avós empoavam seus cabelos e ninguém considerava isto imoral e elas vestiam perucas também. Pra quem pensa que o pó é prejudicial até mesmo para a pele, uma peruca é muito melhor e elas estão sendo feitas agora nas mais diferentes cores.
O cabelo é apenas um ornamento. É um parte do traje como as rendas de um vestido. Não há nada de moral ou imoral sobre ele ou o que fazemos com ele. É apenas cabelo e isto é tudo."

O texto na lateral  da grande foto de uma modelo de Lucile à esquerda, diz que o vestido de jantar de charmeuse azul é melhorado, segundo Lady Duff-Gordon, quando a portadora polvilha seus cabelos com pó azul. "Uma peruca azul é usada depois com o mesmo vestido para um efeito ainda melhor."

E que tal este artigo de 1935 mencionando cabelos em tons pastel? A imagem é de baixa qualidade mas a partir da metade é possível ler sobre um novo procedimento da marca L'Oreal que tinge a cor dos cabelos por uma hora e que é lavável. E no paragrafo a seguir eles citam um nome: "Coloral", que não entendi se é o nome do produto da L'Oreal ou se é outro produto. Se alguém entende francês e principalmente letras miúdas e quiser tentar traduzir o texto, segue a imagem:



E ainda há este anúncio da década de 1950. Há quem diga que algumas mulheres da década modificavam as cores de seus cabelos para tons pasteís para combinar com o vestido usado para dançar naquela noite.




O texto foi escrito pela autora do blog de acordo pesquisas em fontes estrangeiras. É um artigo que, até o momento de sua publicação, não havia semelhante em outros sites em português. Se forem usar trechos deste texto como referência para trabalhos ou sites, citem este link como fonte. 

Fontes consultadas na web:
http://hprints.com/print.php?id=8331&u=3,10\
http://lettersfromhomefront.blogspot.com.br/2012/04/cheveux-de-couleur.html 
http://bobbypinblog.blogspot.com.br/2012/09

4 comentários:

  1. Muito bom seu blog, você escreve bem e explica tudo com muita clareza. Sou jornalista de moda e encontrei poucos blogs tão bacanas! Parabéns, ganhou uma leitora fiel! :)

    ResponderExcluir
  2. "Colorau" é o nome de um corante alimentício feito de várias plantas, também chamam de "colorífico". Ele é bem vermelho e pega bastante, mancha as mãos se mexer com ele. Pesquisei um pouco em dicionários e aparentemente o equivalente em francês é "piment doux". Não tem muito a ver à primeira vista, mas acho que deve ter alguma ligação porque muitas vezes vai páprica no colorau e páprica é conhecida também como "pimenta doce". Não duvido que talvez fosse aplicado colorau na pigmentação, até porque uma das imagens ali é de cabelos vermelhos :)

    Adoro teu blog, tu faz um trabalho lindo e minucioso, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu não entendi o contexto do "Coloral" do texto porque as letras estão muito miúdas! Eu pensei em contatar a L'Oreal e perguntar à respeito.
      Muito interessante suas informações, agradeço muito acrescentar ;)

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

NOTA AOS LEITORES


Olá, tudo bem?
Fico feliz que tenha chegado até aqui! Infelizmente não consigo responder todos os leitores com devida atenção. Me perguntam sobre livros que uso nos textos estão, eles listados neste link: https://modahistorica.blogspot.com.br/p/livros.html

Alguns textos foram escritos entre 2009 e 2013, num período que eu não anotei as fontes, por isso eles não as tem. Portanto, quem me escreve cobrando as fontes destes artigos, espero que compreendam que não posso colocar uma fonte que não lembro ao certo/exatamente qual foi, indicando algo errado. MAS os livros que uso estão no já citado link - pra quem quiser ir atrás deles. Sei que professores e orientadores lhes cobram fontes e nada melhor que ler livros pra adquiri-las.


A quantidade de emails e comentários é grande e soaria repetitivo e cansativo eu responder isso a um por um dos leitores. Gostaria que essa cobrança que às vezes vem como crítica, ficasse mais amena através da compreensão, pois quando comecei o blog não sabia que se tornaria tão grande e que viraria referência no Brasil.
Agradeço a compreensão (e os elogios ao blog).
Sana ♥