Destaques

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Lingerie Histórica - Parte 5: Crinolette/Bustle

Por volta de 1864, a forma da Crinolina começou a mudar. Ao invés de ser em forma de cúpula, a frente e os lados começaram a se estreitar, deixando apenas o volume na parte de trás. O tipo de crinolina que apoiava este estilo era conhecido como um Crinolette

O crinolette é composta por 26 meios-arcos costurados em uma meia-saia de algodão. Os meios-arcos eram conectados por dentro da saia através de tiras, que poderia-se apertar ou afrouxar dependendo do tamanho desejado.


1870
1870
Mas a Crinolette  foi rapidamente substituído pelo Bustle.

Bustle é a evolução da crinolette, que aconteceu entre 1867 e 1872. Eram feitos em tecidos pesados visando puxar a parte traseira de uma saia para baixo e esticá-la, mas podia perder a sua forma no uso diário devido à movimentos como sentar-se ou movimentar-se com freqüência. Os crinolettes e os Bustles eram mais restritivos que as crinolinas, a frente reta e as tiras presas ao redor do corpo tornavam os movimentos mais difíceis.  O problema de sentar era resolvido empurrando o bustle para o lado ou sentando na ponta dos assentos.
Abaixo, bustle de 1875, 1885-87 e um desenho:


Muitos cartoons fizeram piada dos bustles, comparando as mulheres à besouros ou caracóis.


Com o bustle, o tecido em excesso e os enfeites foram transferidas para a parte de trás da saia. Esse volume ainda era necessário para dar a mulher a aparência de cintura fina e quadris largos. Entre as décadas de 1870 e 1880, o bustle teve as mais diferentes formas. Apenas durante um curto período entre 1878 e 1882, nenhum tipo de bustle foi usado e as costas dos vestidos eram retas. Mas então, ele reaparece em 1885 atingindo proporções exageradas. 



A moda dos bustles imensos acabou em 1889. Entre 1890 e 1900, o bustle sobrevive como um suporte elegante para as saias, pois equilibrava a famosa silhueta em S que empurrava o busto pra frente e os quadris para trás. A peça caiu em desuso entre 1905 e 1913, ao mesmo tempo que o corset.


 
Hoje em dia os bustles -  estruturas de metal - são raros, as exceções são nas coleções alta costura e vestidos de noivas. Mas durante uma época do Late Victorian as mulherem não usaram o bustle, foi a chamada era da "silhueta natural", elas apenas modelavam e davam volume à parte de trás  com os tecidos dos vestidos.
Um famoso exemplo recente de vestido com o bustle feito apenas em tecido, é o vestido feito pelo estilista Eiko Ishioka, que ganhou um Oscar por seu figurino no filme Drácula de Bram Stoker.




Mais sobre lingerie histórica:Lingerie Histórica - Parte 1: Farthingale e Guardainfante
Lingerie Histórica - Parte 7: Corsets (em breve)

O texto foi escrito pela autora do blog de acordo pesquisas em livros de Moda lançados no Brasil e no exterior. Se forem usar para trabalhos ou sites, citem o blog como fonte. Leiam livros de Moda para mais informações e detalhes.
*Originalmente postado em meu outro blog, o Moda de Subculturas.

Comentários via Facebook

4 comentários:

  1. Lindos esses posts *-* Arrasou :3

    ResponderExcluir
  2. Descobri seu blog ontem, graças a Deus! Amei os posts, assuntos maravilhosos, dúvidas que eu tinha. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada a todos pelos elogios ao blog <3

    ResponderExcluir
  4. Eu achei muito bonita essa moda

    ResponderExcluir

Nota aos Leitores

Olá, tudo bem? Fico feliz que tenha chegado até aqui! :) Infelizmente não consigo responder todos os leitores com devida atenção. Me perguntam com muita frequência quais as fontes dos meus textos e algumas pessoas são bem agressivas nesta abordagem. É necessário informar que alguns textos aqui presentes foram escritos entre 2009 e 2013, período que eu não tinha preocupação de anotar as fontes. Não posso hoje colocar uma fonte que não lembro se está correta, indicando algo errado ao leitores. Sei que professores e orientadores lhes cobram fontes e lhes garanto que há material disponível em publicações em português apropriadas para um trabalho de pesquisa. Nos textos pós 2014, eu indico a fonte consultada. Gostaria que essa cobrança que às vezes vem como crítica, ficasse mais amena através da compreensão, pois quando comecei o blog não sabia que se tornaria referência. Além disso, isso é apenas um blog que visa o entretenimento e não é minha obrigação fornecer uma pesquisa pronta a outra pessoa. Alguns livros que uso estão listados neste link (que está desatualizado): https://modahistorica.blogspot.com.br/p/livros.html, outros estão resenhados aqui no blog, procure a tag "livros". A quantidade de emails e comentários é grande e soaria repetitivo e cansativo eu responder isso a um por um dos leitores, por isso essa nota se fez necessária. Agradeço a compreensão (e os elogios ao blog). Atenciosamente, Sana M.

© .História da Moda. – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in